Publicidad

Arrecadação soma R$ 318 bi até maio

Your ads will be inserted here by

Easy Plugin for AdSense.

Please go to the plugin admin page to
Paste your ad code OR
Suppress this ad slot.

A arrecadação de tributos federais e contribuições previdenciárias bateu recorde pela oitava vez consecutiva. De acordo com dados da Receita Federal, divulgados ontem, o recolhimento somou R$ 61,114 bilhões em maio, recorde para o mês. emprestimos-bancarios-fuja-dos-juros-altos-38-34-thumb-570

O montante foi, ainda, 16,55% superior (em termos reais, ou seja, corrigido pela inflação) ao registrado no quinto mês do ano passado.

A arrecadação acumulada neste ano também foi a maior para o período de toda série histórica, iniciada em 1995. De janeiro a maio, a Receita registrou a soma de R$ 318,003 bilhões, que representa alta de 13,27% ao comparar com os cinco primeiros meses de 2009. Dados da Receita mostram, ainda, que a arrecadação de janeiro a maio em valores nominais (sem correção pelo IPCA) já é R$ 50,66 bilhões maior do que a obtida em igual período de 2009.

"O resultado já era esperado. Houve um crescimento na economia, que gera emprego e renda, elevando o consumo e, assim, a arrecadação de impostos. Claro que se comparada a maio do ano passado, que ainda apresentava os efeitos da crise, o recolhimento do mês neste ano seria maior", entende o professor da Fia, Keyler Carvalho Rocha. Nos três primeiro meses de 2010, segundo o IBGE, o Produto Interno Bruto (PIB) cresceu 9% na comparação com o mesmo período de 2009.

"A recuperação do setor industrial, que é um grande contribuinte, foi importante para o resultado mês", comenta o professor da Trevisan Escola de Negócios, Alcides Leite. A produção industrial cresceu 18,2%, enquanto o volume geral de vendas subiu 16,09%, nesse primeiro trimestre.

O volume de maio só foi inferior a abril, cujo resultado foi de R$ 70,9 bilhões. Segundo a receita a queda real de 14,18% deveu-se a fatores sazonais. O professor da Fia comenta que a explicação para o dado negativo é pontual.

De acordo com coordenador de Estudos e Análises da Receita, Victor Lampert, o governo acredita que a tendência é a receita continuar avançando, apesar da perspectiva de crescimento não ser a mesma para a produção. "A arrecadação pode crescer acima do PIB. Existem outros fatores, que não o PIB, que influenciam na arrecadação, como o aumento dos níveis de emprego, as relações de compra e venda, que continuam aquecidas, e as importações", afirmou Lampert, ao divulgar os dados de maio.

O professor da Fia destaca que o aumento da arrecadação de impostos em 2010 é importante para que o governo consiga atingir a meta de 3,3% do Produto Interno Bruto (PIB) do superávit primário (economia para o pagamento dos juros da dívida pública). "É possível, no entanto, que a arrecadação sofra uma pequena queda por causa da diminuição do consumo, proveniente da elevação da taxa básica de juros [Selic]."

Your ads will be inserted here by

Easy Plugin for AdSense.

Please go to the plugin admin page to
Paste your ad code OR
Suppress this ad slot.

Alcides Leite prevê que a tendência é de que a arrecadação feche 2010 a recorde histórico. "Por isso vamos ver bons resultados mês a mês", diz.

Por outro lado, Carvalho Rocha afirma não acreditar que em ano de eleição, a alta do recolhimento de impostos possa facilitar a redução de gastos públicos. "O que seria o certo a se fazer para diminuir o volume da dívida", diz. "O governo deveria zerar seu déficit nominal para sobrar mais recursos para investimentos", complementa o professor da Trevisan.

Causas do recorde

O aumento das receitas administradas pelo fisco nos primeiros cinco meses do ano foi puxado pela arrecadação da Cofins e do PIS/Pasep. Do total de R$ 32,373 bilhões de aumento das receitas administradas em relação ao mesmo período de 2009, R$ 10,952 bilhões são decorrentes da arrecadação do dois impostos.

A Receita Federal recolheu, de janeiro a maio deste ano, R$ 69,308 bilhões com Cofins e PIS, isto é, alta de 18,77% na comparação com igual período de 2009.

Também contribuiu para o aumento o menor nível de compensação de tributos feito pelas empresas de janeiro a maio (R$ 3 bilhões a mais que nos cinco primeiro meses de 2009)

Outro fator que contribuiu para a expansão da arrecadação foi o crescimento das receitas com IOF, que foi de 33,48% nos cinco primeiros meses deste ano (R$ 2,534 bilhões maior que o mesmo período do ano passado).

O governo também arrecadou mais com o IPI (26,55%). O aumento de janeiro a maio de 2010 foi de R$ 2,25 bilhões. A arrecadação da Cide-combustíveis cresceu 257,98%, o que proporcionou um avanço de R$ 2,223 bilhões nas receitas com esse tributo.

Essa alta deve-se a elevação de alíquotas de gasolina e diesel a partir de fatos geradores de junho do ano passado.

De acordo com dados da Receita Federal, a arrecadação de impostos somou R$ 61,114 bilhões em maio, recorde para o mês. O montante foi 16,55% superior em termos reais ao montante de maio de 2009.

Publicidad