Publicidad

Aumentam expectativas de alta do PIB e Inflação para 2010.

Your ads will be inserted here by

Easy Plugin for AdSense.

Please go to the plugin admin page to
Paste your ad code OR
Suppress this ad slot.

Analistas do mercado financeiro consultados pelo Banco Central, voltaram a elevar a estimação sobre o crescimento econômico do Brasil este ano, de 5,47% para 5,5% quando so um mês atrás a projeção foi de um 5,3%.

O boletim Focus, da autoridade monetária brasileira, elevou também suas previsões inflacionárias e as coloclou em 4,86% anual, contra os 4,80% estimados da semana passada e 4,6% projetado um mês atrás, indicou a agencia Brasil.

Entanto o prognostico de expansão da atividade industrial, o vaticínio dos analistas passou de 8,55% da semana passada para 8,41% neste relevamento.

A projeção sobre o Índice de Preços ao Consumidor Amplio (IPCA) esta por cima do centro da meta de inflação para o global do ano, de 4,5%

Your ads will be inserted here by

Easy Plugin for AdSense.

Please go to the plugin admin page to
Paste your ad code OR
Suppress this ad slot.

A meta tem uma margem de dois pontos percentuais de variação para cima ou para baixo e o Banco Central utiliza como instrumentos de controle a taxa básica de juros (Selic).

Quando o BC considera que a trajetória da inflação e ascendente e que a economia esta por demais aquecida, aumenta os juros básicos para frear o descontrole, e isso o que se espera que a Selic faça este ano, apenas o Copom decida seu aumento.

A expectativa e que as taxas aumentem dos 8,75% atuais para 11,25% para fins de 2010.

O boletim da Focus, também projeta um alça no Índice Geral de Preços-Disponibilidade Interna (IGP-DI), que passará a 5,58% contra os 5,51% previstos anteriormente.

Na sua vez, o Índice Geral de Preços de Mercado (IGP.M), passou de uma estimação de 5,26% para 5,30%

Em tanto, o prognóstico para este ano, da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (IPC-Fipe), em tanto aos preços administrados (serviços monitorados como combustíveis, energia elétrica, telefonia, medicamentos, água, saneamento, educação, transporte urbano coletivo, entre outros) passou de 3,55% para 3,6%.

Publicidad