Publicidad

Brasil descarta pressões inflacionarias.

Your ads will be inserted here by

Easy Plugin for AdSense.

Please go to the plugin admin page to
Paste your ad code OR
Suppress this ad slot.

O Ministro de Planejamento, Paulo Bernardo Silva, descartou na quinta-feira que Brasil enfrente pressões inflacionarias que o obriguem a subir as taxas de juros.

Neste sentido o ministro considerou adequada a decisão do comitê de política monetária do Banco Central do Brasil (Copom) em manter inalterada a taxa referencial de juros Selic, em 8,75% um valor de mínimo histórico que já tem um bom tempo inalterado.

O comitê após dois dias de deliberação, tomou a decisão na quarta-feira e so anunciou a mesma logo após que os mercados locais fecharam, para evitar especulações imprudentes.

“Em janeiro e fevereiro houve uma ameaça inflacionaria estacional provocada pelas chuvas que afetaram a produção de alimentos, mas em março teremos um índice mais comportado, o mesmo que para abril, assim que não há pressão para aumentar os juros” foi o que asseverou o ministro num programa radial.

A inflação de janeiro foi de 0,75% e em fevereiro alcançou 0,78%. Em ambos casos, o acumulado dos últimos 12 meses superou levemente a meta imposta pelo governo de 4,5% para 2010.

Segundo o ministro, a decisão de manter a taxa Selic, “deixou claro que nem o Banco Central, nem o Governo se deixam pressionar” falando nos analistas econômicos que tinham pressagiado um aumento da mencionada taxa.

E não só os analistas, muitos bancos seguindo a aposta que a Selic ia subir, especularam na Bolsa, mas sem sorte, porque pelo menos até abril, nada mudou.

Publicidad