Publicidad

Copom não deixa claro o que acontecerá com a taxa básica da economia em janeiro

Your ads will be inserted here by

Easy Plugin for AdSense.

Please go to the plugin admin page to
Paste your ad code OR
Suppress this ad slot.

A aguardada ata do Comitê de Política Monetária (Copom), última assinada por Henrique Meirelles como presidente do Banco Central, atirou para todos os lados, mas não deixou claro o que acontecerá com a taxa básica de juros (Selic) em 2011.

Classificado como ambígua por grande parte dos especialistas, o documento reconheceu que os sinais inflacionários neste fim de ano vieram mais fortes do que a autoridade monetária esperava. Destacou também que as incertezas no cenário econômico estão acima dos níveis comuns. A despeito de toda a deterioração das expectativas, evidenciou receios e até uma divisão da diretoria sobre uma possível mudança de estratégia a partir de janeiro.

Pela primeira vez desde que o BC interrompeu o último ciclo de aperto monetário, em julho de 2010, o Copom admitiu que errou em suas avaliações. A instituição afirma que a inflação deste ano está ´sensivelmente acima do centro da meta` e que, na projeção para o ano que vem, o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) também vai superar os 4,5% perseguidos pelo governo. Nos documentos anteriores, a autoridade monetária ainda insistia que a inflação convergiria para o centro da meta, o que não ocorreu. ´Surgiram riscos desde a última reunião, superiores ao que o Copom esperava`, justificou o BC.

Tarifa maior

Mas, mesmo assumindo o engano, o documento deixou os analistas sem um norte. ´Recorrendo a uma linguagem bastante intricada, a mensagem não permitiu nem descartar nem assumir um aumento de juros em janeiro`, avaliou Jankiel Santos, economista-chefe do Espírito Santo Investment Bank. Desta vez, diferentemente das avaliações anteriores, a autoridade monetária descartou a possibilidade de pressões desinflacionárias em função do cenário internacional. ´Na melhor das hipóteses, o cenário lá fora é visto como ambíguo, dada a aceleração da inflação em alguns países e a redução das possibilidades de deflação em outros`, ponderou Alexandre Schwartsman, economista do Banco Santander.

Para Eduardo Velho, economista-chefe da Prosper Corretora, não só o cenário internacional, mas também a ata do Copom, são ambíguos. ´Avaliamos a necessidade de elevação da taxa básica de juros no primeiro trimestre de 2011, se efetivamente o Bacen (Banco Central) está perseguindo o cumprimento estrito da meta de 4,5% no ano que vem e não em 2012.` Os argumentos do analista ganham força à medida em que os indicadores são divulgados. Ontem, o Índice Geral de Preços – 10 (IGP-10) registrou 1,27%, 0,11 ponto percentual acima do mês anterior. Com os preços administrados nesse patamar, o BC calcula que no ano que vem o consumidor vai pagar 2,9% mais nas tarifas de telefone e energia.

Fonte: Diario de Pernambuco

Publicidad