Publicidad

Mercado antecipa o Banco Central e taxa de juros recua

Your ads will be inserted here by

Easy Plugin for AdSense.

Please go to the plugin admin page to
Paste your ad code OR
Suppress this ad slot.

Em um cenário de desaceleração do ritmo de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro e incertezas na economia mundial, a expectativa do mercado é de sucessiva queda na taxa básica de juros (Selic), até o patamar de 11% ao ano em 2011.

emprestimo12

Diante deste cenário, o sistema bancário se antecipa e realiza reajustes em suas taxas para operações de crédito, com tendência de recuo em maior velocidade do que a Selic no segmento de pessoa física, apontam especialistas. Outro fator indicado para a queda do custo do crédito é a maior oferta com redução da demanda, o que eleva a competitividade entre as instituições financeiras.

De acordo com pesquisa da Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac), as taxas de juros caem em setembro de 2011 na comparação com o mês anterior, sendo o segundo mês consecutivo. Em pessoa física, a média geral reduziu 0,06% ponto percentual (p.p.) no mês, para 6,69% ao mês (a.m.), e 1,48 p.p. no ano, para 117,51% ao ano. Nas linhas pesquisadas para pessoa jurídica, a média geral obteve diminuição de 0,02 p.p no mês, para 3,97% a.m., e de 0,37% p.p. ao ano, para 59,55% a.a.

Segundo Miguel de Oliveira, vice-presidente da associação, há dois fatores influenciadores: a queda da Selic em agosto, para 12% a.a., e a probabilidade de novas diminuições, já que o Banco Central sinaliza o controle da inflação na meta somente em 2012. "Além do efeito da baixa de agosto, os bancos se antecipam, pois trabalham com a taxa de juros futura."

Your ads will be inserted here by

Easy Plugin for AdSense.

Please go to the plugin admin page to
Paste your ad code OR
Suppress this ad slot.

Oliveira aposta em mais duas reduções de 0,5 p.p., sendo uma na reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) de outubro e outra em novembro, até 11% ao ano. "A expectativa é de que os juros acompanhem a Selic. Mas se mantiver o cenário da economia mundial até o final do ano, acredito que as taxas para os consumidores diminuam ainda mais."

A mesma opinião é compartilhada pelo professor do Ibmec, Gilberto Braga. "É consequência da primeira baixa em agosto e a tendência é que continue. O reflexo pode ser observado tanto para empresas quanto consumidores, mas o primeiro sempre será menor pelas maiores garantias."

No segmento de crédito para pessoa física, o recuo mais significante é observado no empréstimo pessoal oferecido pelos bancos, de 2,40% em setembro ante agosto de 2011, para 4,47% ao mês e 69% ao ano, a menor desde fevereiro de 2001, quando chegou a 4,45% ao mês. Em seguida aparece o Crédito Direto ao Consumidor (CDC) para o financiamento de automóveis, também concedido por bancos, com redução de 2,18% em setembro na comparação com o mês anterior, para 2,24% a.m. e 30,45% a.a.

Nas linhas de cheque especial, o abatimento no custo do crédito ao cliente é de 0,24% em setembro deste ano em relação a agosto, para 8,23% ao mês e 158,33% ao ano. Cartão de crédito é a única taxa média a permanecer inalterada em 10,69% ao mês e 238,30% ao ano. "O cartão de crédito é mais caro do que os outros produtos porque o cliente utiliza da forma mais conveniente e há maior risco", explica o professor do Ibmec.

Das carteiras destinadas às empresas pelos bancos, capital de giro caiu 5,42%, ao passar de 2,95% ao mês em agosto para 2,79% em setembro de 2011, e a 39,13% ao ano. Desconto de duplicata também apresentou redução no mês passado, de 1,28%, para 3,09% a.m. e 44,08% a.a. Entretanto, o segmento de conta garantida apresenta elevação, de 2,38%, para 6,02% ao mês e 101,68% ao ano em setembro de 2011. "Conta garantida sobe pela maior demanda e risco da carteira", esclarece Miguel de Oliveira, da Anefac.

Além da antecipação às futuras quedas da Selic, o vice-presidente da associação destaca também a maior competitividade entre os bancos como agente influenciador da redução do custo do crédito. "No ambiente em que a economia cresce menos, há menor demanda por parte dos clientes, o que causa maior disputa. A pressão aumenta e os bancos diminuem os juros para não ficar fora do mercado de crédito".

Segundo a pesquisa de setembro da associação, a oferta de empréstimos continua a crescer, mesmo com redução no ritmo, sendo 1,7% na comparação de julho com agosto de 2011, 13,2% no ano e 22,2% em 12 meses.

Publicidad
Comments are closed.