Publicidad

Mudança na política de estímulo ao consumo

Your ads will be inserted here by

Easy Plugin for AdSense.

Please go to the plugin admin page to
Paste your ad code OR
Suppress this ad slot.

Até agora, a política do governo lulista visava a criar um poder aquisitivo bastante artificial. Não era apenas a política salarial – especialmente a destinada ao funcionalismo público federal que contribuía para atingir aquele alvo -, mas também o crescimento do crédito para as pessoas físicas e, em particular, o crédito consignado, favorecido pela redução do recolhimento dos depósitos compulsórios. Isso se traduziu por um crescimento da demanda doméstica, que avultou na composição do Produto Interno Bruto, mas à custa do efeito colateral de favorecer o aumento das importações.

No entanto, desde a eleição de Dilma Rousseff para a Presidência da República, estão sendo adotadas algumas medidas que indicam que o governo considera propício o momento para reduzir a pressão da demanda e favorecer um aumento da poupança privada e pública.

Primeiro houve a decisão do Conselho Monetário Nacional (CMN), regulamentando o uso dos cartões de crédito. Depois o ministro da Fazenda se manifestou a favor da redução dos gastos de custeio, cujo aumento ele havia considerado positivo apenas algumas semanas antes.

Mas foram as medidas tomadas ontem, na reunião conjunta do CMN e da diretoria do Banco Central (BC), as mais decisivas para conter o excesso do consumo – e isso às vésperas das festas natalinas.

Para assinalar que não mais se justificam as medidas anticíclicas tomadas logo no início da crise, o BC voltou a exigir o recolhimento dos depósitos compulsórios sobre depósitos à vista e a prazo no nível anterior à crise. Tal medida deve representar um enxugamento da liquidez dos bancos de cerca de R$ 60 bilhões, equivalente a uma elevação de 0,5 ponto porcentual da taxa Selic.

Também para conter a expansão do crédito se aumentou de 100% para 150% o fator de requerimento de capital para operações de crédito a pessoas físicas, que assim passa de 11% para 16,5% do valor das operações superiores a 24 meses. Medidas semelhantes foram tomadas para financiamento de veículos, levando em conta o prazo do financiamento e a porcentagem do pagamento à vista.

São medidas que visam a conter o consumo e a estimular a poupança – sem a qual não é possível investir nos níveis exigidos pelo País. Neste sentido, o limite de garantia dos depósitos e créditos protegidos pelo Fundo Garantidor de Crédito foi elevado de R$ 60 mil para R$ 70 mil. A dúvida é se essas medidas não foram tomadas para que não se aumente a Selic na próxima semana.

Fonte: Estadão

Publicidad