Publicidad

O Comercio celebra o bom momento da Economia

Números apurados pela Associação Comercial e Industrial de Campo Grande (ACICG) indicam que este será o melhor Natal da década para o comércio varejista. Dados do Serviço Central de Proteção ao Crédito (SCPC), acumulados buy viagra online na primeira quinzena de dezembro, confirmam esse caminho positivo ao revelarem _alta de 13,65% na média das compras à vista e a prazo, comparando com igual período do ano passado. _Com esses números, a ACICG projeta alta de 11% para dezembro em relação a igual período de 2009.

Para os doze meses de 2010, a expectativa é de crescimento de aproximadamente 9% na média das compras à vista e a prazo na comparação com 2009.

Especialistas explicam que o bom resultado para o varejo em 2010 foi estimulado principalmente pelo avanço do emprego -- e, consequentemente, da massa salarial, além da maior oferta de crédito no mercado. Junto com a alta no volume de crédito, houve também a ampliação dos prazos de pagamento, o que fez as prestações ficarem menores. Parcelas menores em uma realidade de aumento de renda resultam em crescimento das vendas.

Outro ponto a ser destacado é o dólar desvalorizado ante o real, que promoveu a entrada de importados no varejo brasileiro. Isso obrigou os fabricantes nacionais a reduzirem os preços, impulsionando ainda mais as vendas.

Expectativa

Para 2011, espera-se desaceleração do consumo, levando à redução do ritmo de crescimento das vendas. A média da expansão das transações à vista e a prazo para 2011 fica entre 6,5% e 7%, respectivamente. Vale lembrar que o governo federal já começou a emplacar medidas de contenção do consumo para evitar o avanço da inflação.

Para 2011 se espera a elevação dos juros e o fim de incentivos fiscais, como a desoneração do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para alguns bens. A taxa básica de juros (Selic) projetada pela ACSP para o ano que vem é de 11,5%, ante os 10,75% que fecham 2010. Com relação ao Produto Interno Bruto (PIB) de 2011, a expectativa é de 4,5%, ante os 7,5% deste ano.

Fonte: MS Aqui

Publicidad