Publicidad

Projeção de analistas tem 15ª alta consecutiva

jpmorgan_selicA projeção de analistas do mercado financeiro consultados pelo Banco Central (BC) para o crescimento da economia este ano teve a 15º alta seguida. A estimativa para o Produto Interno Bruto (PIB), soma de todos os bens e serviços produzidos no país, subiu de 7,06% 7,13%. Para 2011, permaneceu em 4,50%.

Os dados constam do boletim Focus, publicação semanal do BC elaborada com base em projeções de analistas do mercado financeiro para os principais indicadores da economia.

Para o crescimento da produção industrial neste ano, a estimativa foi ajustada de 11,32% para 11,94%. Os analistas mantiveram a previsão para o próximo ano em 5%.

A projeção para a relação entre a dívida líquida do setor público e o PIB permaneceu em 41%, neste ano. Para 2011, a estimativa foi ajustada de 39,70% para 39,50%.

A previsão para o superávit comercial (saldo positivo de exportações menos importações) para este ano passou de US$ 15,10 bilhões para US$ 15,36 bilhões. Para 2011, subiu de US$ 6 bilhões para US$ 7 bilhões.

Para o déficit em transações correntes (registro das transações de compra e venda de mercadorias e serviços do Brasil com o exterior), a estimativa para este ano passou de US$ 47,57 bilhões para US$ 47,78 bilhões. Para 2011, a projeção de déficit foi ajustada de US$ 57,99 bilhões para US$ 58 bilhões.

A estimativa para a cotação do dólar permaneceu em R$ 1,80, para o fim deste ano, e oscilou de R$ R$ 1,89 para R$ 1,90 para o final de 2011.

A expectativa para o investimento estrangeiro direto (recursos que vão para o setor produtivo do país) permaneceu em US$ 35 bilhões, em 2010, e em US$ 40 bilhões, em 2011.

Estimativa da inflação oficial

Os analistas reduziram a projeção para o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) neste ano de 5,61% para 5,55%. A informação consta do boletim Focus, divulgado todas as segundas-feiras pelo BC. Para 2011, a estimativa permanece em 4,80%.

As estimativas para o IPCA estão acima do centro da meta de inflação de 4,5%. Essa meta tem margem de 2 pontos percentuais para mais ou para menos. Cabe ao BC perseguir a meta de inflação e, para isso, usa a taxa básica de juros, a Selic, como instrumento de controle. A expectativa dos analistas do mercado financeiro para a Selic ao final de 2010 foi mantida em 12% ao ano. Para 2011, permanece em 11,75% ao ano. Atualmente a Selic está em 10,25% ao ano.

O boletim Focus também traz estimativas para o Índice Geral de Preços - Disponibilidade Interna (IGP-DI). A projeção para esse índice neste ano oscilou de 9,08% para 9,05%. Para o Índice Geral de Preços de Mercado (IGP-M), a estimativa foi ajustada de 9,07% para 9,08%, em 2010. No próximo ano, os analistas esperam que esses índices fique em 5%.

A projeção para o Índice de Preços ao Consumidor da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (IPC-Fipe) passou de 5,30% para 5,29%, neste ano. Para 2011, permanece em 4,5%.

A expectativa dos analistas para a alta dos preços administrados ficou em 3,60%, em 2010, e em 4,80%, em 2011. Os preços administrados são aqueles cobrados por serviços monitorados, como combustíveis, energia elétrica, telefonia, medicamentos, água, educação, saneamento, transporte urbano coletivo, entre outros.

Publicidad