Publicidad

Selic não deve ser motivo de alarde

Your ads will be inserted here by

Easy Plugin for AdSense.

Please go to the plugin admin page to
Paste your ad code OR
Suppress this ad slot.

O ex-presidente do Banco Central (BC) Henrique Meirelles afirmou, nesta segunda-feira, que as decisões do Conselho Monetário Nacional (Copom) de elevar a taxa básica de juros, a Selic, não devem ser vistas pela sociedade com alarde. Meirelles discursou por cerca de 20min durante viagra cheap cerimônia de transmissão de cargo para Alexandre Tombini, que agora assume a frente da autoridade monetária.

“A necessidade de subir juros é tarefa do Banco Central e não deve ser vista com alarde ou como um sinal de que algo está errado. Juros sobem e descem segundo o ciclo monetário”, afirmou.

Meirelles disse acreditar que a taxa básica de juros brasileira, criticada por ser uma das mais altas do mundo, pode ser reduzida nos próximos anos e lembrou que a Selic, que hoje está em 10,75% ao ano, já atingiu patamares maiores. “Nada indica que as taxas de juros não podem convergir para padrões internacionais nos próximos anos”, afirmou.

O ex-presidente do BC disse considerar que sua missão foi cumprida. “O papel do BC, que é manter estabilidade econômica e um sistema financeiro sólido e eficiente, foi cumprido na sua plenitude. Considero que minha missão como autoridade monetária está cumprida”.

Durante o discurso, Meirelles, que foi o presidente que mais tempo permaneceu à frente do BC, lembrou a trajetória econômica brasileira e comemorou a estabilidade do atual cenário. O ex-presidente da autoridade econômica agradeceu ao ex-presidente Lula pela indicação ao cargo, aos presentes e à família.

Estavam presentes: o presidente do Banco Bradesco, Luiz Carlos Trabuco, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, o presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Social (BNDES), Luciano Coutinho, presidente da Caixa Federal, Maria Fernanda Coelho, a ministra do Planejamento, Miriam Belchior, deputados, senadores, ex-presidentes e ex-diretores do Banco Central.

Fonte: Jornal do Brasil

Publicidad
Comments are closed.