Publicidad

Vendas de Natal não seriam afetadas pelas decisões do BC

Your ads will be inserted here by

Easy Plugin for AdSense.

Please go to the plugin admin page to
Paste your ad code OR
Suppress this ad slot.

As medidas anunciadas pelo Banco Central não devem afetar as vendas de Natal previstas pelo comércio. Já as vendas a prazo, feitas a partir de janeiro, devem sofrer forte impacto, afirmou a Fecomercio-SP (Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo), por meio de nota.

As novas regras não agradaram o setor e a entidade afirma lamentar a retirada de cerca de R$ 61 bilhões da economia, reduzindo, assim, a oferta de crédito para os consumidores. O montante representa 15% do volume de crédito destinado à pessoas físicas.

A entidade refutou os argumentos do governo de que as medidas tendem a evitar o aumento da inadimplência e a diminuir os prazos para financiamentos de veículos e reforçou que tanto o grau de endividamento médio quanto o de inadimplência das famílias vêm se mantendo estáveis, mesmo com o aumento da demanda por crédito.

Your ads will be inserted here by

Easy Plugin for AdSense.

Please go to the plugin admin page to
Paste your ad code OR
Suppress this ad slot.

Crescimento do consumo

Para a instituição, se o aumento da taxa básica de juros (Selic) se concretizar, o ciclo de crescimento do consumo, principalmente de bens duráveis, deve se retrair. “Se o governo quer restringir algum consumo, que seja o dele mesmo”, afirmou na nota o diretor executivo da federação, Antonio Carlos Borges.

Para ele, o governo deve adotar uma política mais restritiva com relação aos próprios gastos. A Acrefi (Associação Nacional das Instituições de Crédito, Financiamento e Investimento) sugeriu o mesmo. “Seria necessário que o governo desse a contrapartida do lado fiscal, reduzindo seus gastos, que são o grande indutor da manutenção do juros na economia brasileira”, considerou a entidade, por meio de nota.

A associação concorda que as regras devem conter o crédito na economia, retirando recursos do sistema financeiro e reduzindo prazos de financiamento.

“Isso irá prejudicar diretamente o consumidor, pois será mais difícil comprar a prazo. As medidas induzem uma elevação dos juros para o consumidor, sem que o governo tenha de alterar a taxa Selic”, disse.

Fonte: Correio do Estado

Publicidad